Modalidades

Salto

Regida pela FEI – Federação Equestre Internacional – a modalidade Salto consiste basicamente numa prova em que o conjunto (cavalo/cavaleiro) percorre um percurso entre 8 a 12 obstáculos diferentes e de variados graus de dificuldade, variando de 0.80 metro (em provas de Escolinhas de Equitação no Brasil) até 1.60 metro (em Grandes Prêmios, Jogos Olímpicos e Mundiais). No Brasil é a modalidade do “hipismo clássico” com maior número de praticantes.

Os ingleses sempre gostaram de passeios, corridas a cavalo em campo aberto e a famosa caça à raposa. Na caça à raposa os cavaleiros eram acompanhados por cães, e perseguiam e capturavam a caça em campos abertos onde transpunham obstáculos naturais que surgiam em seu caminho.

Na segunda metade do século XIX eles resolveram criar um tipo de prova que reproduzisse as caçadas, mas que fossem realizadas em um recinto fechado e menor que os campos abertos da Inglaterra. Então foram criados obstáculos que reproduziam aqueles encontrados durante as caçadas. Aí se originaram as provas de salto que hoje são realizadas em pistas abertas ou pistas cobertas. Com o passar do tempo o esporte foi evoluindo, as regras se aperfeiçoando e criadas categorias para cavaleiros e amazonas conforme sua idade e grau de preparo técnico.

O salto tem como objetivo desenvolver a musculatura, a flexibilidade e a técnica para transpor obstáculos, com coragem, confiança, agilidade e velocidade em perfeita harmonia e total submissão ao cavaleiro.

Inicialmente os cavaleiros saltavam com o corpo na vertical e para traz tendo como ponto de equilíbrio a boca do cavalo através das rédeas e as pernas. No final do Século XIX o capitão italiano Frederico Caprilli inovou a técnica de saltar, deixando a cabeça e o pescoço do cavalo livres, procurando não interferir no equilíbrio natural do cavalo durante a trajetória do salto. Mudou a posição do cavaleiro na sela, o cavaleiro com os estribos mais curtos, o corpo levemente inclinado para frente e seguindo, durante a trajetória do salto, a mesma direção do corpo do cavalo liberando seu lombo.

Pioneiro entre os esportes hípicos a serem praticados no País, o Salto teve sua primeira competição em abril de 1641 quando da realização do “Torneio de Cavalaria” em Maurícea, hoje a cidade de Recife, Pernambuco.

Fonte: Confederação Brasileira de Hipismo

Regulamentos

Adestramento

O Adestramento ou dressage, como é conhecido internacionalmente, é uma modalidade olímpica de Hipismo e, dentre todas as manifestações esportivas da equitação constitui o segmento mais clássico. Os seus princípios básicos são os pilares da equitação acadêmica, adotados por todas as demais disciplinas.

Essencialmente técnica, a modalidade busca o desenvolvimento do cavalo através de uma educação harmoniosa, de modo a torná-lo um “atleta feliz”. Portanto, na própria conceituação pode-se depreender que a modalidade impõe uma cuidadosa ginástica progressiva e racional, associada a uma preparação mental do cavalo, de maneira que nas competições o animal deve mostrar-se calmo, elástico, descontraído e flexível. Durante toda a apresentação deve passar ao espectador a imagem de um cavalo confiante, atento e impulsionado, demonstrando um perfeito entendimento com o seu cavaleiro.

No Adestramento, o cavalo não é um instrumento ou objeto e sim sujeito e para ele todas as atenções devem convergir. As provas são disputadas nos diversos níveis de dificuldades e de categorias, grupadas em faixas etárias. A mais fácil, para iniciantes, é a série Elementar. Depois, conforme o regulamento da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) segue a seguinte ordem: Preliminar, Média I, Média II, Forte I e II e Especial. As provas de Adestramento podem ser realizadas a céu aberto ou em pistas fechadas, em um cercado de 20x60m, em piso de areia. Os competidores devem executar, de memória, movimentos perfeitamente definidos pelo Regulamento de Adestramento, numa sequencia pré-estabelecida (reprise), nas três andaduras naturais (passo, trote e galope).

A alta qualidade da apresentação é constatada pela franqueza e regularidade das andaduras, pela leveza e facilidade dos movimentos. O cavalo dá a impressão de realizar os movimentos por sua própria vontade e responde de forma imediata e, até intuitiva, às solicitações do cavaleiro. O grau de exatidão e correção na execução da prova é avaliado por três ou cinco juízes, distribuídos ao longo do cercado que delimita o picadeiro. Os árbitros julgam os movimentos dos concorrentes, atribuindo graus de 0 a 10, sendo vencedor aquele que obtiver o maior percentual, resultante do somatório de todos os graus atribuídos pelos juízes.

Os Concursos de Adestramento Nacional (CAN) estão organizados em Séries e Categorias. As Séries Elementar, Preliminar, Média I, Média II, Forte I são disputadas pelas Categorias Sênior Amador e Profissional e as Séries Forte II e Especial pelas Categorias Sênior e Sênior Top, respectivamente. As Categorias Mini-Mirim (8 a 12), Mirim (12 a 14), Junior ((14 a 18), Jovens Cavaleiros(16 a 21), Pôneis Mini- Mirim e Mirim e, Cavalos Novos de 4, 5 e 6 anos, são categorias exclusivas e concorrem em separado.

Fonte: Confederação Brasileira de Hipismo

Regulamentos

Reprises